Texto baseado na obra literária Lolo Barnabé de Eva

Há muito, muito, muito tempo atrás, quando o homens e mulheres moravam em cavernas, caçavam a própria comida e usavam roupas feitas de pele de animal, ...

Texto baseado na obra literária Lolo Barnabé de Eva Furnari - Editora Moderna. O HOMEM CRIATIVO Há muito, muito, muito tempo atrás, quando o homens e mulheres moravam em cavernas, caçavam a própria comida e usavam roupas feitas de pele de animal, um casal muito criativo e muito inteligente teve um filho também muito criativo e muito inteligente. Durante o dia o homem caçava e a mulher colhia frutas. Enquanto a noite, se sentavam em volta da fogueira, assavam a carne, comiam e apreciavam a vida juntos. Eles eram muito felizes. Mas nem tanto... Lá onde moravam, já não mais se sentiam protegidos dos animais selvagens, das tempestades e das mudanças climáticas. Então, criativos que eram, construíram uma casa num lugar onde haviam várias árvores frutíferas e um rio onde podiam pescar, pegar água, tomar banho. Ali poderiam ser realmente felizes. Mas nem tanto... Aquelas roupas feitas de pele de animal, não eram tão confortáveis e eles sentiam frio. Foi assim, criativos que eram, que usaram lã para fazer peças de roupas diferentes, calças, blusas, meias, etc. Eles estavam confortáveis e felizes. Mas nem tanto... Como poderiam deixar as várias peças de roupa no chão? Então, criativos que eram, inventaram uma espécie de móvel para poder guardar as roupas. Assim, as roupas não ficariam sujas tão rápido e eles felizes. Mas nem tanto…

Construir dentro da casa, deixava uma bagunça enorme por todos os cantos. E como só a mulher cuidava de limpar e arrumar a casa, ela ficou irritada. O homem, para ajudar, construiu uma oficina longe do lar. Todos ficaram felizes. Mas nem tanto… Eles dormiam no chão e as roupas estavam muito sujas quando se levantavam. O homem, criativo que era, inventou a cama e colocou bastante palha para ficar bem macia. Estavam de roupas limpas e dormiam confortáveis. Ficaram felizes. Mas nem tanto... Contudo, eles costumavam comer e dormir no mesmo cantinho. E agora, como fariam isso na cama limpinha? AHH, mas o homem, criativo que era, inventou a mesa e depois as cadeiras. Todos adoraram se sentar à mesa juntos na hora das refeições. Ficaram felizes. Mas nem tanto... Logo o conforto foi tomando conta deles, e pensavam como poderiam ter cada vez mais móveis e aparelhos que simplificassem o trabalho de casa e o trabalho na oficina. Criativos que eram, inventaram máquinas para cozinhar, lavar roupa, tirar o pó, fazer bolos e sucos, tomar banho, cortar madeiras, também inventaram a água encanada e a energia elétrica. Transformaram muitas coisas e tudo ficou muito confortável. Ficaram felizes. Mas nem tanto... Quanto mais conforto eles tinham, mais eles queriam. Então, criativos que eram, continuaram a inventar muitas e muitas coisas, como o papel, o sabonete, o lápis, o zíper, a lâmpada, o pente, o espelho, a chave, o copo, o prato, os talheres, o rádio, a televisão, o celular, o computador, e mais muitas e muitas coisas. Todos ficaram felizes. Mas nem tanto...

Com isso, o homem passava a maior parte do dia fora de casa, trabalhando nas invenções dele para dar mais conforto e facilitar a vida. Tanto tempo no trabalho e longe de casa deixava ele com saudades do filho, que já estava dormindo quando ele chegava. Então a mulher foi trabalhar fora de casa também, para poderem terminar todo o trabalho mais cedo. Foi bom, mas nem tanto… Quando chegavam do trabalho, estavam cansados demais para lavar a roupa, a louça, fazer comida, limpar o chão, tirar o pó e ainda brincar com o filho. Ficaram irritados, cansados e briguentos. Então a mulher teve uma ideia, chamou sua prima para ajudar a arrumar a casa, assim ela podia ajudar o marido fora de casa e quando chegassem estaria tudo limpo e no lugar. Ficaram felizes. Mas nem todos… A prima queria ser recompensada por trabalhar ajudando eles. Foi assim, criativos que eram, que inventaram o dinheiro e o salário. Todos ficaram felizes. Mas nem tanto… As ideias e o trabalho continuavam aumentando e cada dia eles se sentiam mais cansados. Logo o filho teve que passar a aprender a ajudar com pequenas tarefas e a estudar. Já estavam tão, tão cansados que quando