enfermagem

Assintomático: Indivíduo exposto a uma fonte de infecção bem documentada (na hemodiálise, em acidente ocupacional com exposição percutânea ou de ...

ENFERMAGEM Doenças Infecciosas e Parasitárias Hepatites Aula 1 Profª. Tatiane da Silva Campos

HEPATITES

 degeneração do fígado = vírus atacam o fígado quando parasitam suas células para reprodução.

Fonte: www.google.com.br/imagens

HEPATITES

Sinais Clínicos: Febre Vômitos Fraqueza Mal-estar Dor abdominal Enjôo/náuseas Perda de apetite Fonte: www.google.com.br/imagens Urina escura (cor de coca-cola) Icterícia (olhos e pele amarelados) Fezes esbranquiçadas (como massa de vidraceiro)

HEPATITES

Sintomático ictérico: Indivíduo que desenvolveu icterícia (recente ou não), com ou sem sintomas como febre, mal estar, náuseas, vômitos, mialgia, colúria e hipocolia fecal. Indivíduo que desenvolveu icterícia e evoluiu para óbito, sem outro diagnóstico etiológico confirmado. Sintomático anictérico: Indivíduo sem icterícia, que apresente um ou mais sintomas como febre, mal estar, náusea, vômitos, mialgia e na investigação laboratorial apresente valor aumentado das aminotransferases.

HEPATITES

Assintomático: Indivíduo exposto a uma fonte de infecção bem documentada (na hemodiálise, em acidente ocupacional com exposição percutânea ou de mucosas, por transfusão de sangue ou hemoderivados, procedimentos cirúrgicos/odontológicos/colocação de piercings/tatuagem com material não esterilizado, por uso de drogas com compartilhamento de instrumentos). Comunicante de caso confirmado de hepatite, independentemente da forma clínica e evolutiva do caso índice. Indivíduo com alteração de aminotransferases no soro igual ou três vezes maior que o valor máximo normal dessas enzimas, segundo o método utilizado.

HEPATITES

Suspeito com marcador sorológico reagente Doador de sangue: Indivíduo assintomático, com um ou mais marcadores reagentes de hepatite B e C.

Indivíduo assintomático com marcador reagente para hepatite viral A, B, C, D ou E: história pregressa detalhada pode auxiliar na orientação do diagnóstico etiológico. É importante avaliar o passado de história de hepatite ou icterícia aguda, uso de drogas com compartilhamento de materiais, drogas injetáveis, inaláveis (cocaína) ou pipadas (crack), prática sexual sem preservativo e transfusão de sangue ou hemoderivados antes de 1993.

HEPATITES

Ao exame físico, deve-se pesquisar a presença de lesões sugestivas de uso de drogas, tatuagens e piercings. As condições de saneamento básico e o local de residência/procedência também devem ser pesquisados. Devido à alta circulação do vírus da hepatite A em nosso meio, em crianças, adolescentes e adultos jovens a hepatite A deve ser a primeira a ser pesquisada em casos de suspeita de hepatite aguda nessa faixa etária, salvo se o paciente apresente algum vínculo epidemiológico ou risco específico para outro tipo de hepatite.

HEPATITES

 As hepatites B e C devem ser pesquisadas: antes da A se o indivíduo apresentar imunidade adquirida para hepatite A; se o indivíduo for encaminhado por algum serviço de triagem com sorologia reagente para hepatite B ou C (banco de sangue ou Centro de Testagem e Aconselhamento); se o indivíduo foi exposto a uma fonte de infecção documentada (profissional da área da saúde).  Considerando a sobreposição das vias de infecção das hepatites B e C, elas sempre devem ser pesquisadas em conjunto.

HEPATITES

 Apesar do risco de transmissão por via sexual da hepatite C ser bem menor do que o de hepatite B, pessoas com múltiplos parceiros ou portadores de DST ou pessoas com prática sexual de risco acrescido apresentam maior chance de infecção por esse vírus.

 Considerando a alta prevalência de hepatite delta na região amazônica, pacientes portadores crônicos de hepatite B, procedentes ou residentes dessa região, devem realizar sorologia para hepatite delta (anti-delta total).